• (4)
  • (8)
  • (3)
  • (3)
  • (4)
  • (3)
  • (48)
  • (5)
  • (4)
  • (22)
  • (3)
  • (3)
  • (3)
  • (4)
  • (3)
  • (3)
  • (4)
  • (19)

Anuncie também

Anuncie gratiutamente na mais completa seção de classificados off road da web brasileira

agosto 1, 1998

Quer ir ao Atacama?!?!?

Foram cerca de três meses de preparação. Do planejamento do roteiro, inspirado na expedição retratada pela revista Família Aventura – Especial: Viagem Off-Road, lançada em junho de 99, ao check-list final de equipamentos e peças sobressalentes para o jipe – um Land Rover Defender 90 -, cada detalhe foi cuidadosamente estudado para que nada desse errado. Inúmeras pesquisas foram feitas em revistas e na Internet em busca de informações sobre locais a serem visitados, campings, lugares de abastecimento e alimentação, aduanas etc. Afinal, era um sonho que estava se realizando… Que fosse perfeito!

No dia 07 de outubro de 1999, Guilherme e Giovana Diniz (foto), um casal de médicos de Belo Horizonte-MG, partiram de sua cidade para realizarem o sonho de 10 entre 10 off-roaders brasileiros: conhecer o Deserto do Atacama e os Andes Chilenos em uma viagem de carro. Foram 25 dias de aventura, conhecendo novas culturas e lugares inesquecíveis, num total de 11 mil quilômetros rodados.

Ao retornar de sua viagem, o casal Diniz esteve com a reportagem de Minas Off-Road, tendo em mãos todo o material fruto da aventura. Incrível!!! Tentar relatar em uma pequena matéria toda a beleza e a riqueza de uma viagem como esta é uma tarefa praticamente impossível. Então resolvemos, através de um resumo abordando os pontos principais da viagem, dar ao nosso leitor um pequeno gostinho do que é atravessar o Atacama e os Andes de jipe, enfatizando sempre o ponto de vista pessoal de quem lá esteve e, o que é melhor, dando algumas dicas simples e importantes sobre o dia-a-dia de uma viagem como esta. Afinal, sabe-se lá quantos vão se entusiasmar com o que lerão a seguir… Confira!

Roteiro
O roteiro original, sugerido pela revista Família Aventura, foi seguido até a cidade de San Pedro de Atacama (foto), já no Chile, depois de ter atravessado a Argentina pelas Rutas 12, 16, 34, e 51. De lá, nossos heróis seguiram para Santiago, pela Ruta Panamericana. Segundo o casal, a Capital Chilena, aos pés dos Andes, merece um capítulo á parte na história da viagem. O retorno ao Brasil se deu cortando a Argentina e entrando pelo Rio Grande do Sul. Confira as etapas da viagem:

Belo Horizonte – São Paulo – Foz do Iguaçu – Corrientes – Salta – San Pedro de Atacama – Antofogasta – Santiago – Mendoza – Santa Fé – Uruguaiana – Porto Alegre – Florianópolis – São Paulo – Belo Horizonte.

Obs.: As cidades citadas correspondem aos locais de pernoite do casal durante a viagem, e não aos dias da mesma. Em alguns lugares, o casal permaneceu por mais de um dia.

Destaques
Em uma conversa rápida com Guilherme e Giovana, pedimos que eles escolhessem, de acordo com sua opinião, uma pequena lista de locais que eles considerassem os destaques da viagem, explicando a razão da escolha. Anotem aí!

– Em primeiro lugar, o Deserto do Atacama em si. É “imperdível” e experiência de atravessar um deserto.

– Geiser del Tatio; um show da Natureza. Cerca de 80 quilômetros distante de San Pedro de Atacama, em uma estradinha pelo meio dos Andes, o Geiser também ganhou a classificação “imperdível”. O casal salientou que é necessário chegar bem cedinho ao local, para presenciar todo o “espetáculo” oferecido pela Natureza.

– Salar de Atacama e a Reserva Nacional de los Flamingos.

– Conforme já dito anteriormente, a cidade de Santiago foi considerada um dos pontos altos da viagem, por sua beleza (o visual dos Andes ao fundo é simplesmente deslumbrante!) e por suas atrações turísticas.

– Finalmente, o belíssimo trecho de travessia dos Andes conhecido como “Caracoles”, com suas curvas intermináveis, em zigue-zague. Alguma coisa de tirar o fôlego!

Dicas
Consideramos esta parte a mais importante de nosso papo com Guilherme e Giovana, pois é aqui que eles vão contar o que viveram nestes 25 dias, traçar suas opiniões pessoais a respeito de diversos aspectos da viagem e, enfim, dar dicas para quem tem a intenção de repetir a façanha. Aqui está o objetivo central desta matéria, que não é mostrar o beleza do Atacama e dos Andes, e sim trazer para perto do leitor os problemas e os macetes do dia-a-dia de uma viagem como esta. As considerações do casal foram compiladas em tópicos para tornar a leitura mais dinâmica. Se esta aventura está nos seus planos, leia o conteúdo a seguir com atenção. Estas informações lhe serão muito úteis!

Com a palavra, Guilherme e Giovana Diniz:

– Prepare com antecedência seu carro e seus equipamentos e leiam tudo o que puderem sobre a região que irão explorar.

– Respeitem a cultura local e o modo de vida do povo.

– Levem pouca bagagem!!!

– Acredite na bússola e muita atenção nas sinalizações de trânsito.

– Respeite os limites de velocidade. A fiscalização da polícia, principalmente na Argentina, é muito rigorosa e os policiais gostam de uma propina.

– Ficar acampado na maior parte da viagem é uma boa opção, já que as áreas de camping do Chile e da Argentina são boas, com ótima infra-estrutura e com preços acessíveis. Hotéis, tanto no Chile quanto na Argentina, são caros e, muitas vezes, ruins. Fuja dos hotéis ditos “econômicos ” – cerca de 70 Dólares dia / casal – e fique acampado – 6 Dólares.

– Se for ao Deserto do Atacama, reserve pelo menos quatro dias para ficar em San Pedro de Atacama e aproveite os inúmeros passeios do lugar: Geiser del Tatio (“imperdível”), Salar de Atacama, vulcões, termas, Museu da Cultura Atacamenha e muitas outras atrações.

– Leve a maior quantidade possível de refrigerantes e cervejas em lata do Brasil (gelam rápido e são de fácil transporte). Uma lata de Coca Cola custa, na Argentina, cerca de 2,5 Dólares. Tendo um “cooler”, você pode comprar gelo em quase todos os postos dos dois países.

– É proibida a entrada com alimentos perecíveis no Chile. Se estiver pensando em acampar, leve do Brasil alimentos industrializados, pois lá fora eles são muito caros. Cuidado! A fiscalização na fronteira é rigorosa.

– Se tiver tempo, vá a Santiago, que é uma cidade linda, e, na volta, faça a travessia dos Andes pelos famosos “Caracoles” (foto).

Satisfeito? Pois se você quiser ainda mais dicas, entre em contato com Guilherme e Giovana Diniz por e-mail. Quem sabe eles não dão “aquele empurrãozinho final” na sua tão sonhada aventura?…

Números da viagem

Duração: 25 dias

Quilômetros percorridos: 11.000

Altitude máxima alcançada: 5.300 metros (Andes Chilenos)

Litros de óleo diesel gastos: 1.120
Gastos com combustível: 850 Reais
Preço do diesel:
– Chile: 165 Pesos Chilenos / litro = 0,64 Reais / litro
– Argentina: 0,42 Dólares / litro = 0,83 Reais / litro

Gastos com hospedagem: 1.200 Reais
– 10 dias em camping – média de 20 Reais casal / dia
– Pousadas e hotéis no Brasil – média de 50 Reais casal / dia
– Hotéis em Santiago e alguns pontos da Argentina – média de 130 Reais casal / dia

Gastos com alimentação: 1.300 Reais (cerca de 60 Reais casal / dia, comendo muito sanduíche!)

Comentários