• (3)
  • (9)
  • (3)
  • (3)
  • (3)
  • (3)
  • (47)
  • (5)
  • (4)
  • (13)
  • (3)
  • (3)
  • (2)
  • (4)
  • (3)
  • (3)
  • (4)
  • (19)

Anuncie também

Anuncie gratiutamente na mais completa seção de classificados off road da web brasileira

agosto 1, 1999

Argemiro ‘Rambo’: Jipeiro completo!

Nome: José Argemiro da Silva.
Apelido: “Rambo”.

Se você vive em Belo Horizonte-MG e freqüenta o meio off-road, certamente já ouviu falar dele. Aos 46 anos de idade, este Instrutor de Cursos de Telefonia, membro da Equipe Minas Jeep, de Belo Horizonte-MG, é conhecido por todos os jipeiros da Grande BH, principalmente por suas “aptidões militares” e por seu Jeep 51 completamente equipado, que já esteve presente muitas vezes em nossas páginas. Companheiro de aventuras e sempre disposto a ajudar no que for preciso, Rambo, desta vez, deixou o volante de seu 51 e aceitou “pilotar” o mouse e o teclado, cedendo a Minas Off-Road esta ótima entrevista. Confira!

Minas Off-Road: Quando e como você começou a praticar off-road?
Rambo: Após anos de sonhos, consegui comprar um Jeep, em junho de 1996. Desde então, comecei a praticar o esporte.

Minas Off-Road: Sabe-se que a origem do apelido “Rambo” tem a ver com seu gosto por esportes radicais, como rapel, e por atividades “militares”, como sobrevivência na selva, entre outras. De onde vem seu interesse por estas atividades e quais os cursos você já fez visando aprimorar-se nas mesmas?
Rambo: O interesse vem da minha experiência militar, do meu espírito de aventura e, principalmente, do meu amor pela Natureza e pela beleza das montanhas de Minas Gerais. Já fiz Curso de Sobrevivência na Selva; Rapel Básico, pela Escola Preparatória de Selva (EPSEL); e o Curso de Resgate e Primeiros-Socorros do Corpo de Bombeiros de Belo Horizonte (foto).

Minas Off-Road:Fale um pouco sobre seu “currículo jipeiro” (provas, passeios etc.).
Rambo: Quanto às provas, participei do Indoor da Várzea (97), do Indoor de Ouro Preto (97), do Indoor Sabá (98) e do 1º Circuito Minas Off-Road Indoor (99 – foto). Passeios, participei de quase todos, como “espectador” e, principalmente, como apoio. Citaria o “Perdidos da Noite” de 96, os “Fechando a Porteira” de 96 e 97, “Passeio Suzuki” a Caeté e outros passeios menores promovidos pelo Jeep Clube Minas Gerais. Este ano, participei, como organizador, do “Passeio do Jeep Willys 51”, pela Trilha dos Sete Rios, na Serra do Cipó (maio) e do “Perdidos da Noite”, também na Serra do Cipó, que foi organizado pela Equipe Minas Jeep.

Minas Off-Road: Você possui um dos “51” mais cobiçados de Belo Horizonte. Que equipamentos e acessórios fazem parte deste seu super Jeep?
Rambo: O Jeep possui pneus “Argentinos” com rodas especiais; freio a disco nas rodas dianteiras; motor Ford 4 cilindros OHC 2300; caixa de 4 marchas; ignição eletrônica; diferenciais dianteiro e traseiro com blocante; ventoinha eletromagnética; suporte traseiro para dois tanques de reserva de combustível; guincho elétrico; além de pá e machado, modelo americano, de fabricação própria.

Minas Off-Road: Você utiliza o Jeep em seu dia-a-dia ou possui outro veículo?
Rambo: Possuo um Suzuki Samurai para o dia-a-dia (foto!!!!). O 51 fica apenas para os momentos de alegria e passeios radicais.

Minas Off-Road:Que papel você desempenha na Equipe Minas Jeep e quais os planos da mesma para este segundo semestre de 99 e para o próximo ano?
Rambo: Sou simplesmente um membro colaborador “ativo”. Muitos me consideram o “enfermeiro oficial” da Equipe, pois possuo uma “bolsinha” de primeiros-socorros, onde você pode encontrar desde agulha e linha até remédios, pomadas e comprimidos. Para este semestre, pretendemos promover uma reformulação na Equipe, tornando-a mais forte, competitiva e participativa. Pretendemos também comprar um terreno, na região da Serra do Cipó, para construirmos uma sede campestre da Minas Jeep.

Minas Off-Road: Para concluirmos, fale sobre seu projeto “Hotel do Jeep”.

Rambo: Trata-se de um espaço onde proprietários de jipes que não possuem garagens suficientes podem deixar seus veículos guardados, em local coberto e seguro. A idéia é que o jipeiro, ao sair para o passeio, retire seu jipe da garagem e deixe na mesma seu carro de passeio. Após seu regresso, caso seja de seu interesse, o jipe poderá ser lavado e lubrificado, “aguardando o dono” para o próximo passeio. O Hotel do Jeep já está funcionando; dispomos neste momento de quatro vagas. Além do serviço de garagem, oferecemos ainda pequenos serviços de “adaptação”, como o das já citadas pás e machados, modelo americano, de fabricação própria; faróis de navegação noturna; além de um guincho-reboque 4×4, que funciona 24 horas.

Comentários