• (3)
  • (9)
  • (3)
  • (3)
  • (3)
  • (3)
  • (47)
  • (5)
  • (4)
  • (13)
  • (3)
  • (3)
  • (2)
  • (4)
  • (3)
  • (3)
  • (4)
  • (19)

Anuncie também

Anuncie gratiutamente na mais completa seção de classificados off road da web brasileira

agosto 1, 2000

Eduardo Cunha e as novidades para 2000

Ele tem uma verdadeira coleção de títulos mineiros, em diversas categorias do automobilismo, além de alguns brasileiros em importantes competições realizadas pelo País. Sua mais recente conquista foi o Campeonato Mineiro de Rally de Velocidade de 1999, pilotando um GM Corsa, ao lado da navegadora Luciene Marinho. Agora, aos 40 anos e com seu talento mais que reconhecido, Eduardo Gonçalves da Cunha prepara-se para enfrentar a temporada 2000 como um dos pilotos oficiais da FIAT. Nesta entrevista a Minas Off-Road, Cunha conta um pouco mais da sua história e revela as novidades para a temporada que já se inicia. Veja só!

Minas Off-Road: Quando se iniciou sua carreira no automobilismo?
Eduardo Cunha: No ano de 1980.

Minas Off-Road: Você já pilotou em outras modalidades, além do Rally de Velocidade? Quais?
Cunha: Sim. Autocross (Campeonato Mineiro e Brasileiro), Campeonato de Marcas (correndo com Volkswagen e fazendo dupla com Toninho da Mata) e Rally de Regularidade.

Minas Off-Road: Quais são os títulos mais importantes conquistados por você em sua carreira?
Cunha: Todos são importantes: Campeão Mineiro em 1982, 1983, 1984, 1985, 1986, 1987, 1989, 1990, 1991, 1998 e 1999 (Rally de Regularidade e Velocidade); Campeão Brasileiro da Copa Corsa em 1995 e 1997; Bi-Campeão da Copa Daccar Marcas e Pilotos em 1989 e 1990.

Minas Off-Road: Quais serão seus patrocinadores para a temporada de 2000?
Cunha: Ale Combustível, Krunien Beer e Yokohama.

Minas Off-Road: A FIAT está preparando um carro especial para você correr? Qual será o carro da temporada 2000?
Cunha: Eu corro na categoria N, na qual não é permitida nenhuma preparação a não ser a colocação dos itens de segurança (Santo Antônio, cinto de segurança, bancos etc.). O carro será um Palio Adventure, original de fábrica, apenas com estas alterações permitidas. Será o mesmo carro com o qual disputei a última etapa do Mineiro do ano passado (foto).

Minas Off-Road: De que provas / campeonatos você pretende participar este ano? Há provas internacionais nos seus planos?
Cunha: Participarei do Campeonato Mineiro e de uma etapa do Sul-Americano. Há a possibilidade de eu participar do Rally Internacional dos Sertões, mas ainda está em estudos.

Minas Off-Road: Você acredita que a abertura do Rally Internacional dos Sertões à participação dos carros “de passeio” com tração nas quatro rodas (tipo Mitsubishi Lancer ou Subaru Impreza) incentivará o investimento de montadoras no segmento (entenda como “investimento” a formação de equipes oficiais brasileiras)?
Cunha: Este ano, no caso dos carros “de passeio”, eu acredito que ainda não haja investimento da parte das montadoras, pois há ainda o problema do piso a ser enfrentado durante o rally. Caso a prova se mostre viável para este tipo de carro, pode ser que, a partir dos próximos anos, as montadoras venham a investir. Acho que este ano haverá um investimento na categoria dos utilitários-esportivos.

Minas Off-Road: Na sua opinião, o que falta para que o Brasil volte a sediar uma etapa do WRC (Campeonato Mundial de Rally)?
Cunha: Eu acredito que nós já temos condições para organizar uma prova do WRC, tendo em vista o Rally Internacional dos Sertões, que está sendo muito bem organizado.

Minas Off-Road: Nos últimos anos, a atuação da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA) e das federações estaduais vem sendo muito questionada, principalmente no meio off-road, no que diz respeito, acima de tudo, aos reais benefícios oferecidos por estas instituições aos filiados. Qual a sua opinião em relação a este assunto?
Cunha: Toda e qualquer competição automobilística tem que ter uma permissão da federação local e da CBA para ser realizada, justamente para que não se caracterize como um “pega” organizado e para que, no caso de um acidente, a responsabilidade civil não caia somente no organizador da prova.

Comentários