quarta-feira | julho 28, 2021

Glossário 4×4

2WD: ou Two Wheel Drive, significa que o veículo tem tração em apenas duas rodas (4×2), ou seja, o sistema de tração é instalado apenas em um eixo, traseiro ou dianteiro. Esta configuração equipa a grande maioria dos veículos de rua.

4WD: ou Four Wheel Drive, significa que o veículo tem tração nas quatro rodas. Esta designação é dada a todo veículo 4×4, utilitários ou SUVs. Em alguns modelos a tração 4×4 é engata a partir da roda livre e alavanca, outros tem um comando elétrico no painel e alguns possuem tração 4×4 em tempo integral (Full Time 4WD).

4×4 H: ou Tração 4×4 High. É a configuração onde o veículo está com a tração nas quatro rodas acionada sem a reduzida (4×4 L). Com esta configuração é possível rodar em velocidades normais em estradas de terra e com baixo atrito. Veículos equipados com diferencial central podem trafegar em 4×4 H em qualquer tipo de terreno.

4X4 L: ou Tração 4×4 LOW. Mais conhecida como ‘Reduzida’, significa acionar o sistema de redução da caixa de transferência para condução em baixas velocidades. Esta configuração é necessária para transpor a maioria dos obstáculos encontrados em situações fora de estrada.

6×4, 6×6, 8×8: Configuração encontrada em caminhões militares e para serviços muito especiais. Os 6×6 tracionam com as seis rodas, e em certos casos podem tracionar somente em 6×4, quando somente as rodas traseiras oferecem tração. Já os veículos 8×8 são utilizados para transporte de artefatos militares como mísseis e cargas extremamente pesadas. Em alguns modelos essa configuração possibilita a direção nos dois eixos dianteiros.

ABS – Anti Blocking System: Sistema de freio anti-bloqueio, que impede o travamento das rodas. Ao se pisar no pedal de freio, o sensor eletrônico aciona o sistema de freio de maneira pulsada, impedindo o travamento das rodas e possibilitando melhores condições de controle da direção.

Active Trac: Sistema de tração 4×4 desenvolvido pela Mitsubishi e que equipa os modelos Pajero. O equipamento permite o acionamento de 4×2 para 4×4 em velocidades de até 80 Km/h. Possui diferencial central que possibilita o deslocamento em qualquer tipo de terreno, seja liso ou com aderência plena (asfalto). Pode ainda ter o diferencial central bloqueado, para melhor distribuição de torque entre os dois diferenciais.

Altura Máxima do Solo: Também chamado de ‘Vão Livre’, é a altura do solo que o veículo possui. A medida deve ser feita a partir da parte mais baixa do veículo como o diferencial.

Ancoragem: Técnica usada para criar um ponto de apoio para colocação de cabos de aço, cordas ou cintas, para dar suporte em operações de resgate. A ancoragem pode ser feita em árvores, rochas ou outros veículos.

Ângulo de Ataque: ou ângulo de entrada, é o ângulo que determina a aptidão do veículo para abordar um degrau mais proeminente, sem bater componentes da suspensão ou para-choque. Um bom veículo fora de estrada tem ângulo de ataque de no mínimo 30 graus.

Ângulo de Dorso: Diz a capacidade de superar um obstáculo sem que o fundo do carro bata por cima dele, como uma crista de elevação. Quanto maior o entre-eixos, menor o ângulo. Para ser um fora-de-estrada, este ângulo deve ser no mínimo de 20 graus.

Ângulo de saída: É o ângulo que determina a aptidão do veículo para sair de um obstáculo sem que o chassi ou para-choque traseiro, encoste-se ao terreno. A instalação de engates de reboque normalmente piora o ângulo de saída. Um bom veículo fora de estrada tem ângulo de saída de no mínimo 30 graus.

Bead-lock: Equipamento que consiste em dois anéis de aço presos à roda. Um deles é soldado ao aro externo da roda onde será apoiado o talão do pneu, enquanto o segundo anel é montado por cima e aparafusado ao primeiro anel. Serve para prevenir o destalonamento do pneu.

Bloqueio de Diferencial: Componente mecânico opcional que pode ser instalado no diferencial traseiro, o que é mais comum, no dianteiro, ou em ambos. A função é anular o efeito do diferencial, possibilitando que a transmissão envie torque igual para as duas rodas do mesmo eixo, o que facilita a abordagem de obstáculos mais radicais. Deve ser usado somente nessas situações, e sempre desligado quando se voltar a transitar normalmente em piso com atrito.

Bloqueio de Diferencial central: Componente que bloqueia o efeito do diferencial central fazendo com que a transmissão envie 50% do torque para cada eixo.

Body lift: Método para aumentar a altura do veículo através da elevação da carroceira por meio de calços espaçadores instalados entre o chassi e a carroceria. Normalmente, é utilizado para abrir espaço nas caixas de roda para utilização de pneus maiores.

Caixa de Transferência: ou ‘t-case’, situa-se ao lado da caixa de marchas e possibilita a transmissão de torque para o eixo dianteiro e traseiro além de proporcionar a redução das marchas.

Calço Hidráulico: Acontece quando o motor aspira água pela entrada de ar ou pelo escape. Na tentativa de comprimir a água nos cilindros, danifica peças vitais como bielas, comando de válvula e até mesmo o bloco do motor. Para evitar esse desastre é fundamental a instalação de um snorkel, ou tomada de ar elevada. Pode acontecer com qualquer veículo, 4×2, 4×4, carro de passeio, caminhão, etc.

Cambão/ Tow-bar: Estrutura triangular com engate que é instalada no chassi (ou para-choque) na frente do veículo. Serve para rebocar o carro sem ter a necessidade de alguém dirigir o veículo rebocado.

Câmber: Ângulo de inclinação da roda em relação a um plano vertical. Quando a roda está inclinada para dentro do veículo, tem-se o “câmber negativo”. Mas quando a roda está inclinada para fora o resultado é o “câmber positivo”.

Cáster: Ângulo de inclinação negativo – para trás, ou positivo – para frente, do pino mestre na parte superior com relação a um plano vertical da suspensão dianteira. Esta regulagem é fundamental para a dirigibilidade, pois se o ângulo for muito grande, ou seja, muito inclinado, a resposta da direção será lenta. Por outro lado, com ângulo menor, ou seja, menor inclinação, mais veloz será a resposta da direção. Também é responsável pela estabilidade direcional do veículo, já que pouco cáster ou mesmo nenhum provoca o shimmy nas rodas. Cáster desigual faz a roda puxar para o lado, com um desgaste irregular da banda de rodagem. E o cáster excessivo provocará o desgaste prematuro de toda a banda de rodagem.

Camper 4×4: No Brasil o termo se refere, quase sempre, a veículos do tipo picape com uma caixa acoplada à caçamba que serve de habitação. Possui cama e pequenas cozinhas e, em alguns casos, um pequeno banheiro.

Cinta: Normalmente de nylon, com três a dez metros de comprimento. A cinta é um acessório útil em operações de resgate do veículo.

Cinta de ancoragem: Cinta mais curta, com apenas aproximadamente dois metros de comprimento, para fazer ancoragem em árvores. Ela deve ser mais larga que a cinta normal (entre 75 e 100 mm) para não danificar a árvore.

Command Trac: Sistema de tração 4×4 que a Chrysler desenvolveu para sua linha Jeep. Este modelo é o part-time 4WD, que significa que seu proprietário só deve utilizá-lo para tração 4×4, quando estiver trafegando em terrenos difíceis e que ofereçam deslizamento em curvas. A caixa também permite o acionamento para 4×4 em pleno deslocamento.

Control Trac: Tipo de tração integral 4×4 utilizado nos modelos da Ford, como o Explorer. É composto de circuitos eletrônicos que detectam deslizamento nos diferenciais, e equilibra o torque para a melhor situação de tração. É equipado com marchas reduzidas, quando tem seu diferencial central bloqueado.

Crawl Ratio: É a relação final do veículo. Ela define o quão reduzido seu carro levando em consideração todas as relações (câmbio, t-case e diferencial).

Diferencial: Componente mecânico presente em todos os veículos. Fica instalado no eixo de tração e tem a função de compensar as distâncias percorridas entre as rodas em uma curva. Os veículos 4×4 possuem pelo menos dois diferenciais, um no eixo traseiro e outro no dianteiro.

Diferencial Central: Componente que fica instalado na caixa de transferência e compensa, nas curvas, as diferenças de percurso do eixo dianteiro e traseiro. Pode ser bloqueado para travessia de obstáculos em trechos fora de estrada. Equipa todos os utilitários e SUVs com tração integral, como a linha Land Rover e Mitsubishi Pajero respectivamente.

Eixo Flutuante: Sistema de eixo que tem um sistema de rolamentos que sustenta o peso do veículo. Caso a ponta de eixo se quebre, o sistema mantém a roda no lugar, e é possível rodar com o veículo utilizando a tração dianteira.

Eixo Semi-Flutuante: Neste caso a ponta de eixo está conectada diretamente na roda. Se a ponta de eixo quebrar, vai soltar a roda que cairá, deixando o veículo paralisado até a troca da ponta de eixo.

EAS – Eletronic Air Suspension: Sistema de suspensão eletrônica a ar, desenvolvido pela Land Rover e que equipa os modelos Range Rover. Uma central eletrônica controla a pressão de ar proveniente de um compressor e reservatórios, regulando a altura do veículo de acordo com o terreno a ser enfrentado.

ETC – Electronic Traction Control: Controle de tração desenvolvido pela Land Rover para equipar o Range Rover sendo agora usado também da Discovery. O monitoramento eletrônico detecta se alguma das rodas traseiras começa a patinar, acionando então o freio ABS da roda que patina e enganando o diferencial, que envia torque à outra roda que tem condições de tracionar o veículo. É um recurso semelhante ao Selec Traction da Gurgel só que mais “fashion” e moderno.

ETS – Electronic Traction System: Similar ao modelo da Land Rover, foi desenhado pela Mercedes para equipar os modelos da série M. A diferença é que o ETS equipa as quatro rodas e não somente as traseiras como nos Range Rover.

Expedição (dependente de veículos): uma viagem organizada, dependente do veículo, com um propósito definido, muitas vezes de natureza geográfica ou científica.

Facão: Nome popular para erosão ou valeta mais profunda. O facão pode se formar por ação natural ou ser provocado pelo trânsito de veículos, que cavam inicialmente a canaleta com os pneus, deixando o local propício para formação de erosões pelo efeito da chuva.

Força (F) – Unidade Newtons (N): É a multiplicação de massa por aceleração. No motor temos Força no pistão devido à aceleração gerada na expansão da combustão da mistura ar mais combustível.

Full Hydro: Sistema de direção muito usado em empilhadeiras e que passou a ser utilizado em veículos 4×4 com pneus grandes. Dispensa o uso da caixa de direção ao utilizar um sistema totalmente hidráulico (uma bomba movimenta um pistão hidráulico preso ao eixo que empurra as rodas de um lado para outro).

Full-time 4WD – Tração 4×4 integral: Recurso disponível em veículos equipados com diferencial central, que permite a utilização da tração 4×4 até em rodovias. Modelos como o Mitsubishi Pajero e os Jeep Cherokee possuem este recurso e podem ainda rodar em 4×2, já os Land Rover e o Niva, por exemplo, transitam com tração nas quatro rodas permanentemente.

Freio-motor: Recurso que usa o motor e marchas reduzidas para frear o deslocamento do veículo. Usado em descidas íngremes nos deslocamentos por trilhas e no dia a dia nas rodovias em descidas de serras.

Gaiola: Existem dois usos para o nome gaiola no off-road. Um deles se refere a veículos totalmente construídos com estrutura tubular. Já foram muito comuns utilizando mecânica VW, mas atualmente não é raro ver gaiolas voltadas para uso em trilhas e competições de off-road extremo como rock-crawling. Outro significado de gaiola é o de estrutura tubular de proteção dentro do veículo, item obrigatório nas provas de rally.

Guincho: Equipamento fundamental para incursões radicais. As versões disponíveis no mercado são três: mecânico, hidráulico e elétrico. Este último é o mais popular, já que pode ser instalado na dianteira ou traseira de qualquer veículo, e depende apenas da bateria para funcionar.

Hi-Lit: Macaco ideal para uso em trilhas. Pode levantar um veículo até 1,6 metros, facilitando operações de resgate e manutenção, além de poder ser usado como guincho.

Inclinação Lateral: É a aptidão do veículo para abordar um trecho inclinado sem tombar. Na verdade os utilitários e SUVs 4×4 não são os mais capacitados para essa manobra, pois são mais altos que os carros de passeio. Esta característica varia muito entre os modelos de 4×4 e é sempre recomendável que o condutor conheça este limite.

Indoor: Prova realizada em circuito fechado com inúmeros obstáculos artificiais como atoleiros, saltos, areia, buracos e curvas. É disputado em “baterias”.

Insta Trac: é o nome do sistema usado pela Chevrolet em alguns modelos fabricados no Estados Unidos. Equipa pick-ups como a Blazer, e é um sistema Part. Time 4×4, o que significa que não deve ser utilizado em asfalto ou outro piso de aderência plena. Permite a mudança de 4×2 para 4×4 em pleno movimento, e conta com marchas reduzidas.

Navegador: trata-se da pessoa que vai ao lado do piloto durante uma trilha (ou competição), dando orientações da direção que deverá ser seguida, tempo de duração, grau de dificuldade do obstáculo que está por vir, etc.

Off-Road: o termo, em inglês, significa ‘Fora de Estrada’. Assim, caminhos e esportes desligado-Road são aqueles praticados em estradas de terra, trilhas, matas e em outros locais não pavimentados.

Overland: Viagens de aventura autossuficientes e com suporte de veículos, tipicamente explorando locais remotos e interagindo com outras culturas.

Part-Time 4WD: A caixa de câmbio não possui diferencial central e, por isso, para estes veículos a tração 4×4 deve ser usada somente em situações fora de estrada, evitando o asfalto e estradas de terra muito boas, em altas velocidades. Alguns veículos com este sistema são a Toyota Bandeirante, Nissan Pathfinder, Jeep CJ, JPX, Suzuki Samurai, pick-up Frontier Nissan, pick-up L-200 Mitsubishi, Troller.

Patesca: Roldana ou polia usada em conjunto com o guincho ou mesmo entre dois veículos. Permite que a força empregada no resgate seja duplicada. Também é muito útil para redirecionar o cabo de aço em resgates mais complicados no meio da trilha. Em algumas regiões é conhecida como ‘catarina’

Peito de Aço: Acessório que protege, em trilhas radicais, as partes dianteiras como as barras de direção e diferencial.

Pneus All Terrain ou AT: Projetados para enfrentar terrenos diversos, como asfalto, terra, areia, neve e lama, com razoável desempenho em cada um deles. Normalmente os utilitários e SUVs saem de fábrica com pneus AT.

Pneus Mud Terrain ou MT: Projetados para terrenos lamacentos, com grande distância entre os gomos de borracha. Não são os mais adequados para trânsito em rodovias e altas velocidades, já que a área de contato com o pavimento é menor.

Pneus Mud Terrain + Snow ou MS: Projetados para uso rodoviário com aptidão para terrenos lamacentos de média dificuldade e trechos com neve.

Positraction: Ou Tração Positiva é um diferencial que desvia ou bloqueia parte do torque da roda que está girando em falso para a outra que tenha alguma tração. Normalmente o índice de bloqueio é de 70%. Algumas picapes da Chevrolet como as D-20 e as primeiras S10, vinham equipadas com este sistema. Já a Ford equipa toda a sua linha de pick-ups 4×2 como a F-250 e as Ranger. A Toyota Hilux e o JPX Montez também contam com este recurso.

Potência (P) – Unidade Watt (W): É a Força dividida por tempo. Do trabalho dividido pelo tempo temos a Potência. Potência mede a velocidade de realizar trabalho. Assim a potência vai definir a rapidez que se vence um obstáculo ou se atinge uma determinada velocidade.

Prancha de desatolagem: Acessório útil para montagem de pontes e criação de terreno firme para passagem dos pneus em atoleiros e areiões. Normalmente feito de aço, alumínio ou plástico.

Profundidade Máxima de Travessia: É a aptidão do veículo em atravessar um trecho alagado, sem que suas partes vitais sofram qualquer infiltração de água ou lama. Nestes casos o mais importante é manter a entrada de ar do motor, livre de qualquer contato com a água ou lama, pois se o motor aspirar água pode sofrer o calço hidráulico e deixar você a pé.

PX: É um rádio transmissor/receptor, que trabalha na frequência ‘’rádio cidadão’’, podendo ser utilizada por qualquer pessoa sem autorização, sendo muito usada pelos jipeiros.

PY: São os rádio amadores, muito mais completos e eficientes, pois trabalham de 144,000Mhz a 148,000Mhz em VHF e 430,000Mhz a 450,000Mhz em UHF. A transmissão é muito mais clara e, por meio de repetidoras, é possível se comunicar com diversas partes do mundo. Para operar um radio amador, é necessário possuir uma licença classe D.

Quadra Trac: Equipa a linha Cherokee e é um sistema de tração integral 4×4. Seu sistema de acoplamento viscoso controla o torque para cada um dos diferenciais, e permite o tráfego em marchas reduzidas.

Quebra-mato: Um para-choque reforçado que se coloca em veículos fora de estrada e pode possuir faróis e guincho fixados. Serve para aumentar a proteção frontal do veículo quando este se choca com galhos, troncos ou pedras.

RAID: Modalidade na qual o mais importante é a velocidade média, por tempo, em alguns trechos do trajeto. Alguns acreditam que se trata de uma sigla para Regularidade Absoluta em Itinerário Desconhecido.

Rally: Prova na qual o trajeto é pré-determinado. Pelo caminho poderão ter obstáculos naturais e os carros serão monitorados por postos de controle, os chamados PCs.

Rampa Máxima: É a rampa mais inclinada que um 4×4 pode subir sem que o motor engasgue ou sem que tombe para trás. A inclinação varia entre os modelos podendo ir de 30 a 45 graus. Pode ser medida em porcentagem: 100% = 45 graus, ou seja, em 100 metros de percurso você sobe 100 metros de altura.

Real Time: Nome do sistema de tração 4×4 da Honda, que equipa os modelos CR-V. O equipamento detecta automaticamente a necessidade de tração total e engata a tração traseira para auxiliar o eixo dianteiro a movimentar o veículo.

Reduzida: ou Tração 4×4 LOW. Significa acionar o sistema de redução da caixa de transferência para condução em baixas velocidades. Esta configuração é necessária para transpor a maioria dos obstáculos encontrados em situações fora de estrada.

Rock Crawling: Modalidade extrema de off-road onde os veículos enfrentam grandes obstáculos artificiais ou naturais.

Roda Livre: É o componente que libera as rodas dianteiras do contato com a transmissão. Com isso se ganha na economia de combustível e menos desgaste das partes dianteiras, que não são utilizadas em tráfego normal em ruas e estradas com boas condições de trânsito. Existem modelos manuais e automáticos.

Santo Antônio: Dispositivo em forma de arco, fixado interna ou externamente a um veículo, cuja função principal é proteger os ocupantes, caso o automóvel capote.

Select Traction: Sistema simples de bloqueio, utilizado nos utilitários 4×2 da Gurgel. Baseia-se na utilização dos freios de estacionamento traseiros, que são normalmente acionados por um cabo de aço. O sistema é composto de três alavancas, a principal que freia as duas rodas simultaneamente, e mais duas pequenas, que freiam uma roda de cada vez. Se uma roda fica girando no ar, ou patinando, o condutor puxa o freio desta roda, fazendo ás vezes de um blocante, e o diferencial envia todo o torque para a roda que está em condições de tração.

Shifting On The Fly: Recurso que equipa grande parte dos SUV atuais, possibilita que se engate a tração 4×4 em velocidades que chegam a alguns modelos, a 130 Km/h. Não confundir com o engate da reduzida (low range), que deve se feita sempre com o veículo parado.

Shimmy: trepidação nas rodas dianteiras, que pode ser provocado por inúmeros fatores como chassi trincado ou torto, amortecedores gastos ou com defeitos, molas desajustadas ou “cansadas”, rodas desbalanceadas, pressão diferente nos pneus dianteiros, câmber ou cáster desajustados, caixa de direção com folga, amortecedor de direção ruim, etc.

Snorkel: Ou tomada de ar elevada, consiste de um tubo que estende a tomada de ar do filtro do motor em posição a mais elevada possível, protegendo-o da entrada de água em travessias mais radicais de rios e áreas alagadas. Para os motores a gasolina ou álcool é necessário ainda um bom isolamento da parte elétrica da ignição, coisa que o diesel dispensa.

SPOA (Spring Over Axle): é um modo de montagem dos eixos rígidos de um 4×4 de tal maneira que as molas semi-elípticas (feixe-de-molas) fiquem acima deles. Em geral os jipes usam SPUA (“SPring Under Axle”), ou seja, os eixos ficam acima da curva das molas. Usa-se SPOA para obter maior altura livre do solo.

Suspensão Independente: Sistema que possibilita que cada roda tenha seu curso de suspensão independente da outra roda. É a configuração para trânsito em estradas e rodovias em altas velocidades, mas nem sempre é a ideal para o fora de estrada puro já que a altura máxima do solo não é constante.

SUV: Denominação para Veículo Utilitário Esportivo, ou em inglês “Sport Utility Vehicle”.

T-case: ou caixa de transferência, situa-se ao lado da caixa de marchas e possibilita a transmissão de torque para o eixo dianteiro e traseiro além de proporcionar a redução das marchas.

Tirfor: Equipamento formado por dois ganchos, um cabo, uma catraca e uma alavanca manual. Serve como substituto do guincho para puxar ou destombar o jipe, retirar obstáculos do caminho, etc.

Tomada de Força: Localiza-se na caixa de transferência de alguns utilitários. É usada para se instalar equipamentos mecânicos diversos como geradores de energia, bombas hidráulicas e o guincho mecânico. Nos Jeep, Land Rover e Unimog antigos a tomada de força era muito usada para se instalar bombas d’água, perfuratrizes, escavadeiras, semeadeiras e outros implementos para uso agrícola ou de serviços em obras.

Tow-bar/cambão: Estrutura triangular com engate que é instalada no chassi (ou para-choque) na frente do veículo. Serve para rebocar o carro sem ter a necessidade de alguém dirigir o veículo rebocado.

Trabalho (W)- Unidade Joule (J): É a Força multiplicada por distância. Do torque na roda dividido pelo raio do pneu temos a Força no pneu. Esta força multiplicada pelo distancia percorrida resulta o trabalho. Torque (T)- Unidade Newton metro (N.m): É a Força multiplicada pelo raio de giro. É similar a Força; só que a Força é linear e o Torque é circular (rotação). No motor a Força do pistão é transformada em torque pelo conjunto Biela e Virabrequim (ou eixo de manivela). Assim do Virabrequim até a Roda temos Torque. Então é o torque que vai definir a capacidade de vencer um obstáculo ou atingir uma determinada velocidade.

Trac-Lock: Tipo de diferencial que distribui automaticamente o torque entre as rodas traseiras, de modo a garantir a melhor condição de aderência em superfícies de baixo atrito, como lama, areia, etc. Sistema utilizado pela Troller e pela Chrysler nos veículos Jeep.

Transposição Central: É a aptidão do veículo de transpor um obstáculo, como uma lombada sem que as partes inferiores se choquem com ele. Um veículo com distância entre-eixos pequena, como um Samurai ou um Niva tem mais facilidade para enfrentar esse tipo de obstáculo.

Vau: é a capacidade de passar por alagados sem preparação especial. Os veículos com motor a diesel, por não possuírem parte elétrica, normalmente podem ser mergulhados até pouco antes da altura da tomada de ar para o motor. Os 4×4 a gasolina são limitados pela altura do distribuidor e velas. Normalmente o valor “vau” atribuído pelo fabricante se refere ao movimento para frente na velocidade mínima em primeira reduzida e não a um mergulho espetacular a 40 km/h. A altura do escapamento não têm influência nesta medida.

VTR: sigla para ‘viatura’

Zequinha: este é o sujeito que está sempre no banco de trás de um jipe ou como passageiro ao lado do piloto. Tem como função principal abrir/fechar porteiras e auxiliar não só o piloto, como também o navegador.